• Fone 11 3862.0833
Ruídos, causa da poluição ambiental.

Ruídos, causa da poluição ambiental.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o ruído é a segunda causa de poluição ambiental, ficando atrás somente da poluição do ar.

A exposição aos ruídos de diversas naturezas, em excesso e de forma contínua ao longo da vida, pode ocasionar danos não somente à saúde auditiva dos indivíduos, como também contribui com o desenvolvimento de uma série de doenças cardiovasculares, distúrbios do sono, pressão alta, estresse, irritabilidade, ansiedade, agressividade que afetam a capacidade de concentração, aprendizado, produtividade e descanso, interferindo na qualidade de vida do indivíduo como um todo.

Para conscientizar o mundo sobre o impacto do ruído na audição, saúde e qualidade de vida, hoje, é celebrado o Dia Internacional de Conscientização sobre o Ruído.

Fonte: @RextonBR

Aparelhos Auditivos Divertidos

Aparelhos Auditivos Divertidos

No mundo todo, é comum crianças se recusarem a utilizar o aparelho auditivo por vergonha e por temer a reação dos coleguinhas ouvintes. Foi por perceber esse desconforto entre os amigos de seu filho Freddie, de 4 anos, que a britânica Sarah Ivermee usou a criatividade para criar aparelhos auditivos divertidos, estimulando as crianças a utilizarem seus dispositivos com orgulho e muito bom humor.

Freddie nasceu com CMV congênito – um vírus que pode afetar crianças no nascimento de diversas maneiras e, no caso dele, causou-lhe surdez profunda em um ouvido e surdez moderada no outro.

Hoje, Freddie possui um implante coclear (IC) no ouvido com surdez profunda, e utiliza um aparelho no outro. Embora tenha orgulho de mostrar seus dispositivos, sua mãe percebeu que o mesmo não acontecia com outras crianças. Foi daí que surgiu a ideia da My Lugs: um site em que é possível encontrar vários kits com personagens infantis para decorar aparelhos auditivos ou IC infantis.

Fonte: @RextonBR

Reverter a Surdez Genética?

Reverter a Surdez Genética?

Um estudo publicado recentemente pela revista especializada Science Translational Medicine mostrou que um vírus pode reverter a surdez genética, restaurando parte da audição. Problemas no DNA são responsáveis por cerca de metade dos casos de perda de audição na infância.

A pesquisa, feita com camundongos, analisou os pelos minúsculos dentro do ouvido. São esses pelos que convertem os sons em sinais elétricos que são interpretados pelo cérebro. Contudo, algumas mutações no DNA podem fazer com que estes pelos não consigam criar o sinal elétrico, o que leva à surdez.

A equipe de pesquisadores dos Estados Unidos e da Suíça desenvolveu um vírus geneticamente modificado que infectou as células dos pelos do ouvido de camundongos que sofriam de “surdez profunda“. As cobaias não conseguiam escutar níveis de som de 115 decibéis.

Com as injeções do vírus modificado nos ouvidos, o estudo conseguiu corrigir uma mutação em um gene chamado TMC 1, que é o responsável por cerca de 6% dos casos de surdez hereditária. Assim, os animais tiveram uma “melhora considerável” na audição, passando a ouvir cerca de 85 decibéis – o equivalente ao ruído existente dentro de um carro em movimento. As cobaias também apresentaram alteração no comportamento em resposta a sons durante o período de 60 dias do estudo.

Agora, os pesquisadores querem provar que o efeito do tratamento é duradouro. Por enquanto, sabem que a terapia funciona por alguns meses.

A pesquisa ainda não está pronta para o início de testes clínicos em humanos, mas toda a equipe de cientistas está muito animada com os resultados obtidos. Apesar disso, em entrevista à BBC, Jeffrey Holt, um dos pesquisadores participantes do estudo e que trabalha no Hospital Infantil de Boston, nos Estados Unidos, disse que também estão cautelosos. “Seria prematuro dizer que encontramos uma cura para a surdez genética. Mas em um futuro não tão distante este estudo poderia se transformar em um tratamento para este problema. Então, esta é uma descoberta importante”, acrescentou.

Fonte: @RextonBR

Resistência no uso de aparelhos auditivos

Resistência no uso de aparelhos auditivos

A decisão de utilizar um aparelho auditivo pode ser uma das mais difíceis de serem tomadas pelas pessoas que têm perda auditiva. Embora seja inegável a melhora na qualidade de vida que o uso destes dispositivos traz para quem tem o problema, leva-se um tempo para aceitar a deficiência e outro, ainda maior, para colocar o aasi (aparelho de amplificação sonora individual).

Ainda há uma resistência por parte dos pacientes para o uso de aparelhos. Lembre-se que ouvir é sempre melhor do que ficar toda hora pedindo para as pessoas repetirem o que estão falando. Além de melhorar a audição, o aparelho auditivo pode evitar que a perda auditiva aumente e sua qualidade de vida, piore.

No Brasil, é preciso que a indicação do uso do aparelho seja feita por um médico otorrinolaringologista. A maior parte das pessoas não sabe o caminho que deve fazer para ter o diagnóstico da perda auditiva até a compra do aparelho auditivo. Na dúvida, vá ao médico, faça uma avaliação auditiva, tenha a indicação e procure por um centro auditivo de sua preferência.

Há aparelhos auditivos diferentes para cada tipo de perda auditiva. Informe-se a respeito.

Pergunte, sem medo. Converse com especialistas, peça opinião de pessoas que passaram pela mesma situação. Tire todas as suas dúvidas antes de escolher o seu aparelho.

Escolha sempre uma revenda autorizada ou clínicas especializadas.

Faça um test-drive com o aparelho em casa antes de se decidir por ele.

Exija nota fiscal no ato da compra e informe-se sobre quais os impostos incidem sobre aparelhos auditivos, que são isentos de vários tributos.

Aparelhos auditivos duram muito tempo. Não caia na história de que precisará substituir o seu aasi depois de um ano.

É um direito seu regular o som do seu aparelho quantas vezes sentir necessidade, sem precisar pagar mais por isso. Mas, isso não costuma ocorrer nos consultórios particulares que também fazem este tipo de serviço. Cuidado!

Não aceite tratamento ruim após o pagamento, pois o processo de adaptação pode demorar.

Aparelho discreto, mas que atende mal a sua perda auditiva, não adianta. Lembre-se de que, em alguns casos, a perda auditiva pode ser progressiva se não tratada rapidamente e de forma adequada.

Fonte: @RextonBR

Tratamento para Zumbido

Tratamento para Zumbido

Ter zumbido é muito comum e não representa necessariamente um problema. Em muitos casos, o cérebro passa naturalmente a ignorar o som do zumbido num processo chamado habituação. Se por alguma razão este zumbido no ouvido não puder ser ignorado pelo cérebro e se tornar um problema, deve-se procurar ajuda o quanto antes. Existem várias possibilidades de tratamento. Dentre elas destacam-se as próteses auditivas para os zumbidos causados pela perda de audição. Converse com seu médico e veja se isto pode se aplicar ao seu caso também. Mas lembre-se: a prevenção é o melhor remédio para a saúde da sua audição. Por isso, evite ficar exposto a barulhos excessivos sem nenhuma proteção auditiva.

Fonte: @RextonBR

Zumbido nos trabalhadores expostos ao ruído

Zumbido nos trabalhadores expostos ao ruído

Um estudo realizado pelo Instituto Nacional para a Segurança e Saúde Ocupacional (NIOSH) dos EUA mostrou que 15% dos trabalhadores que foram expostos ao ruído ocupacional em algum momento de suas carreiras têm zumbido.

O zumbido pode ser constante ou intermitente, e parecer com um assobio, rangido ou um som pulsante. Pode ser muito leve em intensidade e só perceptível em uma sala silenciosa ou ser extremamente alto e irritante, de modo que o paciente não ouve nada além dele. “O zumbido é muito comum entre os trabalhadores expostos ao ruído, mas ainda são poucos os gestores de saúde e segurança que estão cientes das consequências deste problema para a empresa e para os funcionários”, diz Elizabeth Masterson, epidemiologista do NIOSH em Cincinnati. “O zumbido é um sintoma e pode causar perda auditiva. E assim como qualquer outra forma de perda auditiva ocupacional, é passível de indenização pela companhia.”

Os trabalhadores na agricultura, silvicultura, pesca e caça apresentam um risco significativamente maior de zumbido, de acordo com o estudo. Em contrapartida, apenas 13% dos trabalhadores da indústria sofrem de zumbido, embora quase metade (43%) deles estejam expostos a ruídos no trabalho. “Os agricultores precisam lidar com sons altos de máquinas e animais, mas não são regulados por normas de saúde e segurança”, revela a estudiosa.

Na silvicultura, o índice de zumbido entre os trabalhadores também é significativo. Eles costumam cortar árvores com motosserras e outros equipamentos, geradores de ruído e de monóxido de carbono, o que aumenta o risco de perda de audição por se tratar de um produto químico ototóxico e asfixiante. Algumas ocupações na pesca também têm alta exposição ao ruído, tais como trabalhar perto da sala de motor ou caldeira. Outros trabalhadores com maior risco de zumbido, segundo o estudo, estão nas metalúrgicas, indústrias de vestuário, carvão e madeireiras.

O estudo também mostrou que o zumbido pode aumentar potencialmente o risco de acidentes porque pode impedir os trabalhadores de ouvir comunicados importantes. “Além disso, o zumbido afeta o sono e a concentração. “Se você está vindo para o trabalho cansado, isso pode ser um problema para o seu nível de alerta”, diz Masterson.

Como prevenir

A perda auditiva ocupacional é totalmente evitável e a primeira coisa a fazer é empregadores se conscientizarem sobre a importância de medir o ruído e minimizar o seu impacto no local de trabalho. Também é fundamental desenvolver um programa de controle de ruídos, que inclui maneiras de eliminá-los através de manutenção e substituição dos equipamentos, criação de salas a prova de som para máquinas barulhentas, redução do tempo de exposição ao ruído a partir de turnos de trabalho e realização de treinamentos frequentes sobre a utilização dos protetores auriculares, com supervisão contínua.

“Os trabalhadores devem ser submetidos a testes audiométricos anuais para que possam saber se a perda auditiva está ocorrendo”, explica Masterson. “É fundamental educar os trabalhadores sobre o que é o zumbido, seus riscos e possíveis tratamentos”, diz. “Há várias opções de tratamento disponíveis para o zumbido, entre eles as terapias de som. Com as terapias adequadas e apoio de empregadores, os trabalhadores com zumbido podem recuperar a qualidade de vida e a produtividade.”

Fonte: @RextonBR

Reportagem Empresários de Sucesso

Reportagem Empresários de Sucesso

Conheça mais sobre a Auditivy na Record News, assista dia 25 DE FEVEREIRO DE 2017 ás 19h30m a reportagem que tem como pauta “No Brasil, conheça o sério trabalho, a credibilidade, a história de sucesso e o bom exemplo da empresa Auditivy Aparelhos Auditivos, que respeita os consumidores, oferecendo bom atendimento e qualidade na prestação de serviços.”